Poemas declamados

Loading...

10 março, 2009

««Uivam os ventos««


Uivam os ventos na charneca tórrida
Parecem lamentos em línguas de esperança
Em terra moribunda, carente, esquecida
Num cantar dorido,entoam ecos de mudança

Olho-te no passado, chorando o presente
Terra de sangue, ressequida em lume
Ceifaram da lembrança em memória ausente
Os risos do povo, viraram queixume

Se no florir da primavera teus ais se esvaíssem
Se ressurgisses na madrugada , em sol
E os vales adormecidos em vida se abrissem

Ai meu Alentejo,largavas o passo de caracol
Quisessem os homens que os campos florissem
Que de novo renascesses, em flores de Girassol

Sem comentários: