Poemas declamados

Loading...

28 março, 2009

««Diz-me««


Porque me ardem as ideias na fogueira
Por entre demónios desequilibrados
Tortuosos, famintos,desenraizados
Borbulhando em tão grande chaleira

Porque me torturo desta maneira
Na procura do verbo adequado
Para a morte procuro significado
Mas recuso refugiar-me na cegueira

Cegueira que jura não ver as chagas
Que cobrem de dor este mundo louco
Numa tentativa de ignorar as algemas

Que amarram as vontades de lés a lés
Que enclausuram as liberdades
Diz-me… doida sou, porque o sou… por quem és?

Sem comentários: