Poemas declamados

Loading...

17 dezembro, 2010

Mensagem de Natal

Natal do meu sentir
 
O natal do meu sentir
É um ninho cheio de ovos
Muitas estrelas a fulgir
Na vida caminhos novos

São milhares de pombas brancas
Papoilas vermelhas, paixão
É a tua e a minha mão
Mostrando as palmas abertas
Por onde deslizam dádivas
Que vão desaguar no mundo
Aconchego num segundo
Ao menino que nasceu
E logo de frio tremeu

O Natal é como um espelho
Que a nossa imagem reflecte
Quem dera que ele projecte
As flores que te quero dar
Ombro amigo para reconfortar
Um pouco de atenção
Também quero dar-te a mão
Num desejo de Natal
Muita paz e amor igual
Ao que Maria aclamou

Quero dar-te a manjedoura
Onde o menino nasceu
Jaz nela uma estrela vindoura
Para iluminar o teu céu.

Feliz Natal

09 dezembro, 2010

«« O colo de um gesto ««

Com o Natal que se aproxima, aproxima-se uma corrente de bem parecer, perdemo-nos a enviar cartões de boas festas virtuais para todos aqueles que compartilham esse mesmo espaço, são gestos repetitivos ao longo dos anos, todos os anos os mesmos dizeres e os mesmos olhares, não que seja contra esta forma de convívio e este preocupar constante com todos os nossos amigos, virtuais ou não, gosto de receber estes agrados, embora confesse, que não sou muito afoita a eles, melhor dizendo, não lhes dedico muito tempo, para mim a intenção perde-se no repetitivo e torna-se monótona, por essa razão normalmente envio próximo do dia de Natal a minha mensagem. Não estou a criticar quem ocupa o tempo a fazer passar estas mesmas mensagens, nestes mesmos gestos repetitivos que se tornam a meu ver monótonos.


Gostaria contudo de alertar os meus companheiros de escrita, e todos aqueles que por aqui andam, para as armas que temos nas mãos, a escrita e a imagem, e para o uso que poderíamos fazer delas nestas alturas festivas, sei que dói e é incomodo olhar os males do mundo, nestes períodos que se querem de amor e união. Existirão contudo melhores alturas que estas para alertar consciências, existirão oportunidades melhores que estas, para darmos com amor e altruísmo o que melhor sabemos fazer, ou seja escrever. Não sou utópica e sei que será um fio de fumo branco por entre a maldade e a arrogância, mas sei também que a Internet é uma arma poderosa, e que temos nas nossas mãos o poder de moldar mentalidades, acho que a maioria daqueles que escrevem nem se apercebem da arma que tem ao seu dispor. Vejam o que aconteceu com a campanha lançada sabe-se lá por quem, em que durante um período de tempo todos os membros do Facebook deveria utilizar como foto de perfil um boneco animado, vejam como em dias as páginas do Facebook viraram uma coreografia Disney.

Porque não na quadra Natalícia de 2010 olharmos aquilo que não gostamos e fazermos passar a mensagem de um mundo melhor mesmo que utópico, porque não fazer das páginas do Facebook um cartaz de alerta. Mesmo que não gostemos de imagens violentas e de palavras de dor, porque não dar àqueles que não podemos carregar no colo, o colo de um gesto.

Uma imagem, um texto, um pequeno gesto.

28 novembro, 2010

«« A minha nova casa ««

http://porentrefiosdeneve.blogspot.com/

«« Nasceu uma nova casa ««


Com 739 textos, na sua maioria poemas por onde se perdem alguns contos e uns poucos textos de reflexão chegou a hora de fechar o Escrita trocada, o meu blogue, a sua leitura começa a ser demorada para quem me visita, assim sendo acaba de nascer um outro filho ( Por entre fios de Neve…http://porentrefiosdeneve.blogspot.com/ ) a neve que muita vez me assola, ao olhar o mundo à minha volta.
O Escrita trocada manterá o mesmo endereço só que a partir de agora deixará de receber novos textos.
Agradeço a todos os que fizeram do Escrita Trocada o que ele é, e principalmente o que eu sou como pessoa e como poeta.
Quando dei inicio a este projecto apresentei-me, e durante muito tempo assim me senti, como alguém que gostava de escrever, mas não se sentia como tal, a partir de agora apresentar-me-ei como alguém que ama a escrita, e que se considera poeta acima de tudo, alguns poderão pensar que é presunção minha, mas sempre faço o que o coração me dita, e neste momento ele diz-me para seguir em frente, para continuar igual a mim mesma, que a retribuição será o carinho e o respeito de todos aqueles que me lêem, e que fizeram de mim com esse mesmo carinho e respeito, uma nova mulher.
No novo ano que se avizinha, se Deus quiser nascerá o meu primeiro filho em papel, no qual me encontro a trabalhar. Senti finalmente que vale a pena, e acima de tudo sei que não enganarei com aquilo que escrevo, nem a escrita, nem os leitores, nem me estou a enganar a mim própria.
Obrigado a todos.

27 novembro, 2010

«« Orei ««


Orei à virgem um dia, o amor eu lhe pedi
Virei costas fui embora, sem olhar p`ra trás
Essa hora e esse dia, longinquamente perdi
Caminhei por outras estradas, fiz o que fui capaz

Andei por caminhos longos, chorei e até sorri
O tempo, ora extenso ora airosamente fugaz
Recordava-me ao de leve o amor que não vivi
Essa mágoa marota, voltava de forma audaz

Volvi aos pés da virgem, sem vontade de oração
Olhei para ela, um baque no meu peito
A um novo olhar vi profunda solidão

Virei costas fui embora, um toque de emoção
Aflorou o meu sentir fez esse instante perfeito
O teu rosto vi nas nuvens, meu amor não foi visão.

«« Pó ««


Fixo na força do vento
Este medo de ser só
Parece que não sei que é pó
O medo que não entendo

Outras vezes já cansada
O vento empurro de jeito
Porque só vejo defeito
Na ventania e mais nada

O vento ligeiro corre
Parece que não entende
Que o meu medo pressente
Que por vezes, nem só ele corre

Numa planície verdejante
Nessas horas a solidão
Aperto na minha mão
E o medo fica distante.

25 novembro, 2010

«« Paz ««


Num outro tempo qualquer
Procurei a paz num terreiro
Agreste o terreiro me ensinou
Que paz é um malmequer
Que sem perceber despontou
Num sorriso de mulher

A paz tentei alcançar
Procurei de lés a lés
Mas enquanto a vida mandar
Paz, terá sempre revés

Num outro tempo qualquer
A paz fugiu foi embora
Agora quando penso melhora
O sorriso me enche o rosto
Tenho paz, tenho gosto
De no agreste sofrear
Qualquer martírio ou desgosto
Que de revés pensa entrar

Um sorriso gravo com gosto
Num malmequer desfolhado
Enche o meu terreiro orvalhado
Por lágrimas de fino fio
Que revêem de fio a pavio
A paz que aparenta o meu rosto.

«« Miseração ««


Habituei-me a ver o dia, através de um aquário
Na caixa translúcida pende a noticia, apática.
Não, as noticias não são apáticas
Sou eu que simplesmente fico estática
Ao pender da dor alheia, por vezes de soslaio
Um tremor inclina-se no meu olhar
A medo pede licença para entrar
Não, gritam os meu neurónios
Os trajes da menina viram demónios
Irei para a rua procurar
Aquela blusa eu quero comprar
A noticia rola sob o meu desdém
Quero lá saber se aquele alguém
Que foi agredido, se é filho ou mãe

Habituei-me a ver o mundo através de um aquário
Onde os peixes já não povoam o imaginário. Da nossa miseração.

24 novembro, 2010

«« Importância ««


A importância com que nos olhamos
Pode ser lei no nosso imaginário
Pode ser pasto, alimentar rebanhos
Pode ser fogo em mãos de incendiário

Será que dobra o olhar de frente
Daquele que apenas vê crente
Será importante ou será tristonho
Olharmos para nós com olhar indolente

Da imagem que reflecte no mundo
Aos olhos de quem nos vê
Para aqui estou pensando ser gente
Perdida por entre o porquê
Da importância que ao olhar ausente
Nos mostra eterno aprendiz.

A importância que tanto desdiz
Daquilo que pensamos ser
Ai meu deus mas algo me diz
Não é importante este meu dizer.

23 novembro, 2010

«« Pasmo ««



Inquietude do pensamento
Um certo pasmar alheio
À chuva que cai no momento
Em que olho para o passeio
Um arrepio, constrangimento
No deslizar da água gelada
Por entre duas pedras brancas
Ficou presa na calçada
Desassossego ao meu olhar
Um frenesim em volta molhada
Vira, revira penas ao ar

Aquele pássaro está-se a lavar
Naquela poça de águas paradas.