Poemas declamados

Loading...

21 abril, 2009

«« Prumo ««


Embrenho-me nas vagas do teu pensar
Cismando chego a esta conclusão
Trespassas-me em medos a desbravar
Evocas-me na correnteza da ilusão

Atraio-te no reflexo da imaginação
Na singeleza das manhãs orvalhadas
Refluxo que nos incendeia a visão
Queixumes de quimeras tresmalhadas

Perdidos em nenhures pelo sol pôr
Corremos ao encontro da razão
Afastamos os delírios, a raiva, dor

Estamos tão perto, ao alcance do olhar
Teimamos em não ver, visão obstruída
Basta esticar o prumo, a nossa alma se tocar

Sem comentários: