Poemas declamados

Loading...

20 abril, 2009

«« Centelha de ideias ««


Embrenhada por entre papoilas delicadas
Caminho sem pressa ao romper da alvorada
Nesta imensidão de planícies espelhadas
Sinto-me leve, de esperança renovada

Deleito-me no verde dos campos em flor
Gotas de orvalho reluzem em marfim
Aguarela sonhada, beleza, de luz e amor
É na Primavera que me fundo em ti

Alentejo meu sangue, meu corpo devastado
Terra enraizada na alma dos poetas
Verso tingido de sonhos enfaixado

És o meu despertar, minha centelha de ideias
Meu suporte, pedaço de chão sagrado
És tu que me aqueces, na hora que me desfaço em águas

Sem comentários: