Poemas declamados

Loading...

30 julho, 2010

«« Penumbra ««


O dia acorda suavemente
O galo já canta uma melodia
Estridente, ró, có, có, có
Ai galo malandro, mas que gritaria
Olha que o petiz, ainda dormia

Acorda o dia suavemente
Chega o cheiro a pão fresco
Na mesa o café da manhã
Um sorriso no rosto, bom dia mamã
Ao som do dia eu floresço

Entro na lida do pensamento
Lembro a casa cheia de vida
Lembro aquilo que fiz, uma vida
Os dias e as horas, noites vencidas
Um olhar atento

Sob o silêncio
Que agora penetra na alma
Recorda-me a penumbra que ficou
Depois de uma vida que abalou
Presa na ponta de uma vela sem pavio

1 comentário:

Sonhadora disse...

Minha querida
Um belo poema, como todos os que escreves, adorei.

beijinhos
Sonhadora