Poemas declamados

Loading...

01 julho, 2010

«« O tempo é definição ««





O tempo urge em cada fim de tarde
Estreita os nossos anseios
Num ritmo agonizante
Tão decadentes são os nossos medos
Porque o receio me parece impostor
Há nele um não sei quê que me impele
A acoitar-me na noite que espreita
Numa vigia que me protege
De ti e de mim, numa clausura que é feita

Do imaginário infernal…

Meu amor
No recolhimento em que reinam
As tuas e as minhas paixões
Será que existem motivos para contradições
Será que a minha e a tua alma são da mesma massa
Será que o teu medo me vê nua
Será que temos as mesmas aflições

Não estará a coragem na união

Quem sabe não estará na junção
Do tempo que urge à noitinha
Sempre que cai uma chuva miudinha
Que geme na perfeita fusão
Com a terra ressequida
Como eu queria ter a mesma guarida
Que a agua encontra no chão
E o tempo, é definição

Ou o olhamos de frente, e saltamos mais que ele
Ou somos aniquilados, e aí é tempo de nada
Por mais que se martele
Jamais ganhará forma a calçada

1 comentário:

Hisalena disse...

O tempo é uma coisa curiosa... passa de mansinho quase sem darmos por ele e contudo faz-nos sentir tantas coisas.
Contudo o tempo é matreiro porque jamais volta atrás... cada ocasião que não se aproveitou é simplesmente perdida e nada podemos fazer... não moldamos o tempo nem o controlamos antes pelo contrário somos seus escravos.
Ainda bem que o tempo lhe dá tempo para escrever poemas belos, bem estruturados, com alma, com sentimento e com sentido como este.
Parabens!