Poemas declamados

Loading...

26 julho, 2010

«« Submissa ««


Na penumbra esbranquiçada da mente
Corre veloz a neblina submissa
Percorre o cordeiro que espargia
A ideia de um poema diferente

Porquê, o porquê é sempre indiferente
À caneta que se esvai na palavra roliça
Ao mote que infringe a lei que se espreguiça
Á dor de quem morde a sílaba dolente

E o papel, o papel abre as entranhas
Aceita o poema esquece dores tamanhas
Faz um filho que nasce com cabelos loiros

Olhos azuis, a criança prodígio
Do poeta enlaçado na musa, instante propicio
Poema envolto na era vindoura, instantes após

Sem comentários: