Poemas declamados

Loading...

04 junho, 2009

«« Em sangue que jorra morto ««


Socalcos abertos com a adaga do sarcasmo
Crueldade nas palavra que me engole
Faca rígida que corta o entusiasmo
Exalta agonia que lentamente me consome

Abafo o despeito da alma silenciosamente
Procuro na escuridão certo conforto
Olhando o escuro acredito copiosamente
O que escrevo, sou eu em sangue que jorra morto

Vejo esvair-se a força que me mantém sã
Em cada gesto que fazes sem pensar
Em cada sílaba escrita pela manhã

Envenena-me a alma, trás consigo a incerteza
Manhã de nevoeiro que teima em me enlaçar
Se meus versos emudecerdes, em quem acreditar.