Poemas declamados

Loading...

09 junho, 2009

«« Perdi-me de mim ««


Caminhei por entre as nuvens da solidão
Percorri embriagada o limiar do meu ser
Por vezes virei as costas, nada a fazer
Descalça, carreguei penas de aflição

Pergunto, onde estou, penso, não me vêem, não
Assombrada, olho, e acabo por não me ver
Perdi-me de mim, pouco me resta , findou o crer
Afoguei-me em delírios, parca alucinação

E agora, que me resta, por onde caminharei
Será , que a vida se perdeu de mim
Ou fui eu, que sorrateiramente a desviei

Embrenhei-me na loucura do ser, do ter sem fim
Pobre concubina da minha própria razão
Imaculada imaginação, restou este vazio, de mim.

Sem comentários: