Poemas declamados

Loading...

09 junho, 2009

«« Desenraizei ««


Desenraizei, as vontades perdidas no tempo
Bruscamente as espalhei sem ter dó, reneguei,
Todos os sentires, que se infiltraram no lamento
Desbravando o ventre que me pariu, não chorei

Gritei, gritei, abraçando a luz, pena de mim não tenham
Virem-me as costas, deixem-me, caminhar sozinha
Pobres almas, que se consomem, não se detenham
Sou pasto, que virou funesta ladainha

Consola-me esta sensação esvaziada de cor
Anafo-me por entre a sombra da noite morta
Loucamente procuro os sonhos de um amor

Que se perde de mim, que se perdeu ao nascer, nem viu
A sombra fria, que teima em ficar na minha porta
A dor em mim, que submergiu, ao viver me atingiu.

Sem comentários: