Poemas declamados

Loading...

03 dezembro, 2009

«« Sobrevivência ««


Olha ali está o pico da sorte, ao lado está Deus
Ali está o norte, mais à frente a frustração
E eu perdida julgo que sei tudo

Navego num mar de acalmia, em nó corredio
Tento disfarçar que nada sei, nada sou
Afinal, porque caio e me levanto, porque choro

No meu choro abafado disfarço o riso
Rio da vida, contra-senso
Afinal sou uma árvore tombada

Sou madeira cortada, na qual a raiz sobrevive.

Júlia Soares. ( Pseudónimo )

Sem comentários: