Poemas declamados

Loading...

17 dezembro, 2009

«« Aqui Estou ««


Transporto no sangue um raio azulado
Uma esperança, uma dúvida, um grito calado
Transporto na alma, um energia fugaz
Que num silencio irrequieto, me diz tanto faz

Que corras, que grites, que digas que não
O sol está em brasa, não estendas a mão
Levanta-as aos céus, numa prece singela
Olha meu amor, entrou pl`a janela

O vento suão, transporta nas asas
Saudades tuas, são faúlhas em brasa
Olha meu amor, o tempo parou
À espera que voltes, meu amor aqui estou.

Júlia Soares ( pseudónimo )

Sem comentários: