Poemas declamados

Loading...

11 dezembro, 2009

«« O poeta aos meus olhos ( XIX ) ««


(A chave)

Viver ou morrer

Não, não soube viver, trilhei caminhos de pó
Desenraizado neste mundo doido e cruel
Servi-me das palavras sem pudor ou dó
Por vezes saíram doces, outras de sabor a fel

Escrevi sobre o que vivi, sobre o que mais amei
Pedaços de mim que soltei nas asas do vento
Deixei ao mundo retalhos que enfeitei
De esperança e sonho num breve momento

Vivi em ânsia e desatino, tudo e nada
Buraco negro que me devoraste, sim
Aguas revoltas, espada de ponta afiada

Nau Catrineta onde naufraguei, ai de mim
Naveguei esses mares em busca acidentada
Regressei de bolsa vazia, ai morte vieste enfim.

Sem comentários: