Poemas declamados

Loading...

03 dezembro, 2009

«« O poeta aos meus olhos ( XIII ) ««


( Censura )
As moscas

Pobres tolos julgais vós que me calais
Venham policias de malha apertada
Clandestinamente grito na alvorada
Os versos em sangue pelos arraiais

Negros sois vós sim homens banais, iguais
A moscas que morrem antes de nascer
O poema vivo é força, e há-de vencer
Escutem, não me calarei, mudo jamais

Por entre as grades do limoeiro
Apelo na minha aflição ruidosa
Marquês de pombal, nobre cavalheiro

Nobres senhores, império de gigantes
Errarei na minha fé, sublime e majestosa
Liberdade no génio, mãe dos simples

Sem comentários: