Poemas declamados

Loading...

25 março, 2010

«« Medo ««


Meu amor, porque desgastas o medo
O medo é a recordação
Que peca por ser o que é… medo
Descabido, de esquecer o que se foi
De tentar vencer o inevitável
Numa emoção miserável
Meu amor o medo dói
Tal qual chaga profunda
Cratera de lava quente
Meu amor se ficas ausente…

O medo toma posse de mim

E assim, assim, talvez mais
Com medo que os dias não sejam iguais
Por entre chuva, vendavais
Soltam-se as lágrimas em ais.
Ais…por não saber por onde vais

Enquanto o medo me faz companhia

Meu amor, não desgaste o medo
Ele é feio, mas é solúvel
Pode chegar manhã cedo
E á noitinha arder …feito papel.

Sem comentários: