Poemas declamados

Loading...

27 março, 2010

«« Bebedeira ««


Quem me dera poder gritar, estou sóbria
Carrego uma lucidez despiciente
Embebedei-me solenemente
Em tudo aquilo que me abstraia

Não, não estou sóbria, estou bêbada de azedume

Com versos corridos esgravato o queixume
Ponho mais lenha e lenha no lume
Em versos fingidos vou alcançando o cume

Da minha existência, mas a minha glória
Não é escrever sobre a minha vitória
É esgravatar na lama, dar a mão à palmatória

Sem comentários: