Poemas declamados

Loading...

02 julho, 2009

«« Conversa sem véu «


Nas horas que converso comigo
E consigo olhar-me de frente
Enrosco-me nas horas e sigo
Essa conversa dormente

Desnudo-me e nada me abala
Falo, falo, e nada digo
O meu eu é porto de abrigo
Pétala de rosa, bengala
É campo coberto de trigo
É descanso ao domingo
É orquestra em noite de gala

Nas horas que converso comigo
Mato a dor, mato a tristeza
Enleio-me na singeleza
De uma conversa sem véu

Consigo separar as aguas
Contar as estrelas do céu
Consigo conversar contigo
Contar-te os meu tormentos
Falar-te dos meus lamentos
Embrenho-me nessa conversa
Ás tantas já não existo

Ficas tu, converso contigo…

Sem comentários: