Poemas declamados

Loading...

20 fevereiro, 2009

«« Vontades a bailar ««


Até quando meu amor, este tormento
De vontades a bailar a subsistir
Em desejos inacabados a submergir
Para quando meu amor o esquecimento

De promessas e afagos a repartir
De lonjuras feitas nada, encantamento
Em ternos anseios breves momentos
Saudades esquecidas, em tão breve sentir

Por ti chamo, responde-me o vazio
Grito silenciado na noite morta
Enrosco-me no nada, tremendo de frio

Envolvo-me em mantas de negro chão
Minha alma retalhada em aflição
Adormece em corda bamba de silêncio

Sem comentários: