Poemas declamados

Loading...

12 outubro, 2010

«« Espera ««


Há defeito na espera
De quem na espera flutua
O corpo apático balança
Num ir de cá para lá
Ensaiando uma dança nua

O chão cansado olha de revés

Quem espera marca passo no vazio
Tentando vislumbrar através
Do equilíbrio que vai perdendo brio
Aproxima-se a duvida em turbilhão
Mão suada enlaça o corpo
Quem espera (está em dia não)
Até o chão lhe parece torto

1 comentário:

Silviah Carvalho disse...

Que lindo seu poema, encontrei seu blog por acaso e gostei muito, virei outras vezes.
bjs