Poemas declamados

Loading...

22 outubro, 2010

«« No tempo das cearas ««


No tempo das cearas
Os campos eram verdes
Os sobreiros alegres
Os gafanhotos em colunas
Faziam um festim
Por campos de marfim
Na tarde quente. As brumas
Da noite fresca
Traziam o canto das cigarras
Os homens de samarras
Os gaiatos em festa

No tempo das cearas
O Alentejo era gente
Pobre mas contente
No olhar estampadas as almas
Dos que então partiram
Novos mundos descobriram
A terra ficou vazia
Mulher de negro sofria
Saudades, um filho ausente
A morte indolente
Da ceara de trigo
Agora penso foi castigo
À terra virar as costas

Oro de mãos postas
Que te traga o filho pródigo
Que no tempo das cearas
O verão não seja serôdio
Que a terra em regozijo
Se encha de trigo rijo

E a mulher de negro sossegue.

Sem comentários: