Poemas declamados

Loading...

08 agosto, 2009

««Raul Solnado««


Hoje choram os lírios, porque morreu
O homem, poeta maior num mundo de actores
Tantas as palmas, as lágrimas os ramos de flores
Jeito de menino, sorriso aberto, a vida acabou

Não temam pelo actor, deixou-nos o apogeu
De uma obra que plantou, de todas as cores
Foi menino e soldado, cantou sonhos e canções
Foi rei da traquitana, apoteose, jubileu

Hoje choram os palcos, ficaram mais pobres
O pano caiu pela derradeira vez
O homem morreu, o actor engalanou de amores

As palavras que o poeta escreveu, com avidez
Em cada acto, do teatro das saudades
As luzes se apagaram pela milésima vez….



Raul Solnado 1929-2009

Sem comentários: