Poemas declamados

Loading...

06 agosto, 2009

«« Demasia ««

Abrem-se em cutiladas profundas
Aos poucos se vai avivando a magoa
Que deixas em cada migalha jogada
Como se fosse o apogeu que ambicionas

Ofereces tão pouco de tudo, mãos esticadas
Percorrem um caminho sem encruzilhada
Exigem demais para quem dá quase nada
Oferecem demais num nada que desfraldas

E eu, tropeço nessa dádiva impotente
Finjo uma alegria que nunca tive
Sempre consigo olhar-te de frente

E tu vives na ilusão que eu sustive
Acreditas que sempre dás em demasia
Carregas as certezas,só que eu sou mais livre…

Sem comentários: