Poemas declamados

Loading...

04 janeiro, 2009

«« Terra de ninguém««


Meu pensamento voa
Dispara qual flecha aguçada
Encrava a ponta embriagada
Bem no centro desta terra, esvaziada

Voa sempre mais além
Por montes por vales
Por terra de ninguém
Quando regressa cansado
Sente-se tão só e aquém

Aquém das ilusões
Das dores, das aflições
Dessas gentes moribundas
Esquecidas, perdidas, viúvas

Minha pena e alma juntas
Não conseguem exprimir
O que vêem na planície
Não conseguem mais tingir

Soltam um grito aflitivo
De quem queria conseguir
Que alguém lhe desse ouvido

Que um dia nesta terra
Se calasse o gemido,
De um chão tão ressequido

Sem comentários: