Poemas declamados

Loading...

22 novembro, 2009

«« O poeta a meus olhos ( II ) ««


( Existo )

Eu, Manuel Maria du Bocage

Manuel Maria, pelos amigos chamado
O Bocage, como o povo me sonhava
Escrevi meus versos, dor que anunciava
Lembrança viva de poeta, tresloucado

Triste sina, de era em era recordado
Na anedota e chalaça que me cantava
Obra encoberta, pi-léria que matava
O poeta nobre do soneto aprimorado

Manuel Maria du Bocage, sim senhor
Filho segundo de um pai que era juiz
Boémio errante, escrevi meus versos em suor

Envolto em sofrimento, deveras infeliz
Eu poeta, eternizei-me em trovas com clamor
Versos revoltos, de quem não foi, na vida aprendiz

1 comentário:

Cria disse...

Sempre bom te ler !! Beijos.