Poemas declamados

Loading...

05 novembro, 2009

«« Amar ««


Amar


No planalto onde vagueiam os sentidos
Por vezes a neblina chorosa me envolve
Como se fosse um manto que tudo encobre
Mesmo assim deixo que me guiem os anelos

Que me elevam a ti, e ao sabor dos teus lábios
No planalto onde perdida sou pobre
Transmudo o verbo que se inibe, mas descobre
Que o dia é inútil se por breves momentos

Cair na tentação de te esquecer, enfim
Faço parte de ti e tu és a minha costela
Somos átomo de uma galáxia longínqua, sim

Até a discórdia é uma enorme janela
Onde se avista o planalto e dançamos ao luar
Envoltos no verbo que é amar… segura cidadela.

2 comentários:

Aguimas disse...

Não sei como aqui vim parar, mas gostei

Cria disse...

Sempre que posso, venho aqui me fascinar com tua expressão ! Beijos.