Poemas declamados

Loading...

23 setembro, 2010

«« Outono ««


Não sei porquê
O dia pesa mais
Os fios de neve
São demais
A alma não está leve

Não sei porquê
O dia nasceu cinzento
Nunca pesaram os dias cinzentos
A alma está amarga
E o dia acerbado padece

Com a morrinha húmida
O carpido das folhas amareladas
Que anunciam a queda franca
De quem sabe que é para sempre
De quem sabe que a terra espera
Pelo decompor da vida

Não sei porquê
A arvore está feliz
Balança-se ao vento em adoração
Os ramos riem com os pássaros
Eu olho impávida

Não me choca aquele balançar
Como que adivinhando
O meu pensamento afoito
Uma folha cai ao chão

Ouvi o seu deslizar suave
No momento exacto em que tocou a terra
Parece que me disse
Para o ano voltarei em seiva viva
Que alimentará a primavera.

Não sei porquê
Os fios de neve deixaram de pesar.

1 comentário:

Luís Coelho disse...

Muitos dias da nossa vida acordam pesados e tristes.
O sol vai reaparecer e abraçar-nos e lentamente vamos subindo a encosta onde encontramos a esperança nas flores que sorriem , nas aves que choram e nos animais que despertam.