Poemas declamados

Loading...

08 abril, 2010

«« Oásis ««


Sou uma sombra sem oásis, nem palmeiras
Na ponta dos dedos ainda escorre a seiva
Que em outros tempos corria intempestiva
Que tentava derrubar todas as fronteiras

As de pedra e cal, e as ténues e imaginárias
As fronteiras da mente de poeta cativa
Do olhar sob o qual via o mundo, viva
Era a expressão coberta de ideias amontoadas

Mas hoje, sobe os cabelos soltos, fios de neve
Fragmentos que aqui e acolá sobrevivem
Envoltos em nuance estúpida mas leve

Até essa leveza me pesa, mas não ajuízem
Por detrás da sombra pernoita o oásis
E os dedos só esperam que as ideias enraízem

Sem comentários: