Poemas declamados

Loading...

27 novembro, 2010

«« Pó ««


Fixo na força do vento
Este medo de ser só
Parece que não sei que é pó
O medo que não entendo

Outras vezes já cansada
O vento empurro de jeito
Porque só vejo defeito
Na ventania e mais nada

O vento ligeiro corre
Parece que não entende
Que o meu medo pressente
Que por vezes, nem só ele corre

Numa planície verdejante
Nessas horas a solidão
Aperto na minha mão
E o medo fica distante.

Sem comentários: