Poemas declamados

Loading...

06 novembro, 2010

«« Aconchego ««


Aconchego num tempo morno, um instante
Em que o olhar desliza pela ramosidade ociosa
Que o vento afaga, com um cuidado intrigante
Sinto-me leve mas presa por uma airosa

Letargia, que me impele à dormência constante
Finjo que não sou, não vejo e não estou curiosa
Como pode a tarde ser tão reconfortante
Se ali ao lado, a terra gira vertiginosa

Se o rio corre veloz, sulcando a terra árida
Onde transbordará a enxurrada da vida
E eu continuo olhando a ramagem ávida

De que o vento me dê na mansidão guarida
Me tape com um beijo, que te roubou de fugida
Quando te afagou os lábios, de vencida.

Sem comentários: