Poemas declamados

Loading...

02 maio, 2010

«« O meu lamiré ««


Olhos no chão, desliza a areia movediça
Parece que espreita por detrás da cortina
Não me recordo sem tem vida divina
Tudo o que escrevo, parece caliça

Que se desprende com alguma preguiça
Olhos no chão desliza a bailarina
É uma rima que sai da rotina
Espreguiça-se feito carniça

Que encobre barriga com fome
Olhos no chão, o que escrevo não sei
Nem perco tempo pensando o que é

Escrevo e gosto de chamar pelo nome
Um verso rafeiro que sempre amei
Tudo o que escrevo é meu lamiré.

Sem comentários: