Poemas declamados

Loading...

13 outubro, 2009

«« Uivos ««


Na clareira onde uivam os lobos...
O dia amanhece sem medo, mas tarda.
Até a lua se espreguiça na retirada.
As doninhas entreabrem os olhos, logo após.

O uivo arrepiante dos ventos amargos.
 Fustigam sem dó a alma que aguarda...
Que o pó lhe cubra a dor, disfarçada...
Em risos bolorentos de tão antigos!

Na clareira onde uivam os lobos...
As gentes caminham sem rumo certo.
As mentes amorfas entreabrem os lábios.

A terra cobra, quer quebrar o pesado arreio.
Que um passado lhe pôs sobre as costas.
O povo esse,.. adormeceu pelos cantos!

1 comentário:

Sonia Schmorantz disse...

Escreve muito bem, é um texto sedutor!
Um abraço