Poemas declamados

Loading...

25 outubro, 2009

«« Suspensa ««


No fundo de um nada estão as amarras
Que suspendem a imaginação remota
O caminho é uma seta sem ponta torta
Que nos impede de abrirmos as asas

No fundo de um poço estão as lágrimas
Com que lavamos a alma estafada
Por vezes ficam suspensas em quase nada
Quando deslizam, caem em ponta de adagas

Frias e cruéis afiadas nos momentos insípidos
Em que nos sentimos uma coisa incerta
Nesses instantes baixamos os braços

Como quem atraca numa ilha deserta
Sabendo nunca encontrar o local seguro
Ou a mão que nos traga átona na hora certa

Sem comentários: