Poemas declamados

Loading...

12 dezembro, 2008

««Mesmo louca escreverei««


Escrevo e rescrevo
Escrevo sem parar
Como se de mim me quisesse afastar

Está doida dirão
Estou louca, direi
Mesmo louca escreverei

Escrevo pró meu amor
Escrevo do meu amor
Da minha dor , de sangue, de cor
Escrevo com pavor
Da noite fria, escura como breu
Sem ter nada de meu

E depois
Tenho tanto que escrever
Assim alguém me queira ler

1 comentário:

João Videira Santos disse...

Um poema diferente...

Ligeiro e fluído na palavra.

Gostei.